NOTÍCIAS  JULHO DE 2010

 

 Central de monitoramento online de vagas de UTI

07/07/2011 - 15h18 (Assessoria Governo do Estado SP)
 
Unidade, na capital, agilizará a disponibilização de leitos de emergência e cirurgias a pacientes graves

O governador Geraldo Alckmin entregou nesta quinta-feira, 7, a primeira central online de vagas de urgência e emergência pelo SUS (Sistema Único de Saúde) do Brasil. O objetivo é monitorar a disponibilidade e agilizar a transferência de pacientes com quadros graves e que precisam ser internados em leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) ou realizar procedimentos complexos, como cirurgias cardíacas e neurológicas.“Está aqui um bom exemplo de informatização, humanização do atendimento. Vamos ganhar tempo das pessoas e especialmente na urgência e emergência, ter um sistema de saúde bem integrado, localizando vagas muito rapidamente, próximo do local de atendimento para neurocirurgias, grandes traumas, vagas em terapia intensiva. E nós integramos também com todos os AMEs e os demais ambulatórios”, afirmou o governador. Instalada em um andar inteiro do edifício Andraus, no centro da capital, a Central de Regulação de Ofertas de Serviços de Saúde (Cross), ligada à Secretaria da Saúde, irá gerenciar todo o fluxo de urgência e emergência na Grande São Paulo, interior e litoral do Estado. Em tempo real, a Cross será ponto de contato de todos os hospitais e serviços de saúde que atendem pelo SUS no Estado. Na capital e em algumas cidades paulistas há centrais que regulam a transferência de pacientes entre hospitais do município, mas havendo necessidade de oferta de vagas inter-regional, a central da Secretaria será acionada. "Trata-se de um importante instrumento para garantir a rápida disponibilização de leitos de UTI e outras vagas de emergência no Estado, expandindo possibilidades e integrando os serviços de saúde com o objetivo de salvar vidas", disse Giovanni Guido Cerri, secretário da Saúde. A Cross conta com uma equipe de cerca 200 profissionais, dos quais 100 são médicos e 50 técnicos auxiliares de regulação médica, além de técnicos em informática e atendentes. Os médicos e técnicos de regulação se revezarão em turnos, 24 horas por dia, sete dias por semana, atendendo às solicitações de transferência de pacientes em serviços de saúde de todo o estado, incluindo pedidos de UTI adulto, neonatal e pediátrica, além de leitos para cirurgias de urgência. As solicitações poderão ser feitas por telefone ou via internet, e classificadas segundo grau de risco, numa escala de 1 a 4. As classificadas como grau 1 terão atendimento em até uma hora. As avaliadas como grau 2, em até três horas. As de grau 3, em até seis horas, e as de grau 4 (com baixo risco) são atendidas em até 12 horas. Caberá ao serviço de saúde de origem transportar o paciente até o novo local onde a vaga foi encontrada. Os médicos da central são treinados e capacitados para lidar com as mais diferentes situações. Em muitos casos, inclusive, os profissionais conseguem, conversando com a equipe médica dos serviços de saúde solicitantes, passar instruções para manter os sinais vitais do paciente e até adotar medidas para melhorar sua condição clínica. Com a centralização é possível que a Secretaria da Saúde mantenha uma equipe médica à disposição dos serviços de urgência e emergência e buscar vagas não somente em uma determinada região, mas sim no Estado todo. Dessa forma, caso haja indisponibilidade momentânea de leitos em determinada localidade, o paciente poderá ser transferido para um hospital de outra região, recebendo assistência adequada. O processo de centralização da regulação de vagas de urgência e emergência vem sendo realizado gradativamente ao longo do último ano, e já mostra resultados. Um levantamento da Secretaria aponta que nesse período houve redução de 40% na mortalidade de pacientes que necessitavam de leitos de UTI. De uma média de 2,5 óbitos mensais, o número caiu para 1,5. O objetivo é reduzir ainda mais este índice. Marcação de consultas -  Além de plantonistas 24 horas para a regulação das urgências e emergências, a Cross também contará com uma central de atendimento específica para as marcações de consultas ambulatoriais, gerenciando todo o fluxo de atendimento nas unidades de saúde municipais, ambulatórios e demais hospitais vinculados ao SUS. As regionais de saúde - braços da Secretaria na capital, interior e litoral - distribuem, conforme a demanda, a oferta de vagas de serviços médicos, consultas e exames. A integração do sistema garante que todas as unidades tenham conhecimento sobre onde há vagas disponíveis e a possibilidade de marcação. O sistema também é regionalizado: as unidades de um determinado município só tem acesso às informações de ofertas de consultas e exames em suas macrorregiões. Caberá à central dar suporte técnico às unidades cadastradas, além de gerenciar o atendimento aos cancelamentos de consultas agendadas, além de, se necessário, reordenar as ofertas distribuídas nas unidades de saúde. Para melhor organização, a Secretaria da Saúde envia, cinco dias antes da data da consulta/exame, um "torpedo" (SMS) para lembrar o paciente da data e horário agendada, bem como um número gratuito para cancelamentos e/ou dúvidas referentes a marcação. A mensagem é encaminhada sempre que o número do telefone celular do paciente consta em sua ficha.

 

 

Ministério da Saúde entrega 650 novas ambulâncias
25 mar 10 | Notícias

ambulâncias do SAMU no pátio

 

São as primeiras das 2.312 unidades que serão distribuídas até agosto deste ano. A primeira remessa aumenta a frota do SAMU/192 em 43,6% e eleva a cobertura atual para 130 milhões de brasileiros

O Ministério da Saúde vai distribuir a todos os estados e o Distrito Federal a primeira remessa de ambulâncias de um total de 2.312 adquiridas pelo governo federal. São 650 novos veículos que atuarão no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU/192) de 573 cidades (veja tabela). A previsão é que as 2.312 ambulâncias sejam entregues até agosto. Com isso, o governo federal vai mais que dobrar as 1.488 unidades existentes hoje no país e atender, até o fim do ano, mais de 160 milhões de brasileiros. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ministro José Gomes Temporão participam de cerimônia de entrega dos veículos nesta quinta-feira (25), em Tatuí (SP).  O investimento na compra das 2.312 ambulâncias, a maior já feita pelo Ministério da Saúde, foi de R$ 256,4 milhões. O governo federal repassará ainda aos estados R$ 719,1 milhões por ano para o custeio das atividades. As 650 da primeira remessa custaram R$ 75,8 milhões e os estados e os municípios receberão R$ 97,5 milhões por ano para manutenção do serviço. Na cerimônia, as chaves das ambulâncias serão entregues aos prefeitos de Porto Acre (AC), Sarandi (RS), Nova Crixás (GO), Arapiraca (AL) e Tatuí (SP), que representam as cinco regiões do país. Caberá aos governos locais contratar as equipes e colocar as ambulâncias em funcionamento. Os veículos dessa primeira remessa ajudarão a ampliar o serviço de urgência no país, acelerando o atendimento e atingindo percentuais altos de cobertura nos estados. As 650 representam reforço de 43,6% na frota nacional, beneficiando mais de 24,2 milhões de pessoas. Com esse aumento, Alagoas, Amapá, Goiás e Roraima chegarão a 100% de cobertura. Isso significa que o SAMU vai atingir todo o território desses cinco estados. Outros quatro estados já haviam alcançado esse índice: Acre, Distrito Federal, Santa Catarina e Sergipe. IMPACTO NO ATENDIMENTO - “Estamos dando um passo importante em direção à universalização do SAMU/192. As novas ambulâncias vão expandir as ações do programa, ao garantir um atendimento de qualidade a uma parcela maior da população. O aumento da frota melhora o tempo de resposta médica e torna a assistência cada vez mais ágil”, afirma o ministro José Gomes Temporão. As 1.488 ambulâncias do SAMU/192 que hoje circulam no país atingem 106 milhões de pessoas - 55% da população do país. Com as 650, o índice de cobertura passará para 67,7% (130 milhões de pessoas). A meta do governo federal é universalizar o SAMU/192. Até o fim de 2010, o serviço chegará a 162,7 milhões de pessoas. O número de veículos para atendimento de urgência no país mais que dobrará com a distribuição das 2.312, chegando a 3.800 unidades em funcionamento no país. Além da expansão no atendimento, as novas ambulâncias servirão também para renovar a frota, substituindo os veículos que, devido ao tempo de uso, quilometragem atingida e condições, devem ser retirados de circulação. Mais de 350 veículos serão utilizados na substituição de antigos – o que representa uma renovação de cerca de 25% da frota do país até o fim de agosto. EXPANSÃO DO SAMU – O Ministério da Saúde dará continuidade ao cronograma de entrega das novas ambulâncias após a entrega das 650. A distribuição das primeiras unidades seguiu critérios técnicos. Tiveram prioridade as cidades que apresentaram projetos avançados para a expansão e implantação de centrais de atendimento do SAMU/192; as áreas beneficiadas pelo Pacto pela Redução da Mortalidade Infantil (região Amazônica e Nordeste); e Territórios de Cidadania, regiões de baixo índice de desenvolvimento, que apresentam agricultura familiar, população quilombola ou indígenas. Na entrega da primeira remessa, São Paulo receberá o maior número de ambulâncias do SAMU/192, 117, e chegará a uma cobertura de 70,17%. Em seguida, está a Bahia, que contará com 67 novos veículos, o suficiente para expandir o atendimento a 56,7% da população do estado. Pará ganhará 58 unidades, estendendo a cobertura do serviço a 70,7% dos paraenses. Todas as ambulâncias que serão entregues nesta quinta-feira (25) são de suporte básico de vida - USB. Nas próximas remessas, o Ministério da Saúde distribuirá veículos de Suporte Avançado de Vida (USA), conhecidos como UTI Móvel. Do total da compra de 2.312, cerca de 400 são UTI Móvel e o restante, USB. Embora as 650 ambulâncias sejam distribuídas a 573 cidades, elas beneficiarão uma região muito maior. O SAMU/192 é estruturado por meio das Centrais de Regulação, em que profissionais atendem os telefonemas de determinadas regiões, orientam o paciente sobre os primeiros cuidados, encaminham o veículo e entram em contato com a unidade de saúde que será responsável por receber o paciente. Assim, as ambulâncias estarão vinculadas às centrais das 573 cidades e atenderão uma área total de 1.060 municípios. Com o reforço desses 650 novos veículos, o SAMU/192 vai atingir 2.354 cidades brasileiras - crescimento de 90,7% no total de localidades atendidas – 1.234 hoje. Com a entrega de todas as 2.312, o número de municípios com cobertura do SAMU chegará a 4.135 (74% do total existente no país). INTEGRAÇÃO NA SAÚDE PÚBLICA - A entrega das ambulâncias reforça a política de atendimento integrado à população brasileira, estratégia elaborada pelo Ministério da Saúde para melhorar os serviços oferecidos na rede pública. O SAMU/192, nos casos de urgência, presta o primeiro atendimento ao paciente e o encaminha para os serviços mais adequados - as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), que funcionam 24h e solucionam casos como pressão e febre alta, fraturas, cortes, infarto e AVC, ou os hospitais, em situações mais graves ou em que é necessário um acompanhamento mais específico. A assistência ao paciente é realizada também por meio da Estratégia Saúde da Família. Voltada à atenção básica, inclui ações de prevenção de doenças, diagnóstico e promoção da saúde. As equipes de Saúde da Família são a porta de entrada do cidadão na rede pública de saúde. O governo federal aposta nessa rede, em que o atendimento básico e de urgência e emergência está integrado, para reduzir as filas dos hospitais e tornar o Sistema Único de Saúde (SUS) mais eficiente. COMO FUNCIONA O SERVIÇO - O SAMU/192 faz parte da Política Nacional de Urgências e Emergências, de 2003, e ajuda a organizar o atendimento na rede pública. O socorro do SAMU é realizado após chamada gratuita para o telefone 192. As ligações são atendidas por técnicos da Central de Regulação que identificam a emergência e, imediatamente, transferem o telefonema para o médico regulador. Esse profissional faz o diagnóstico da situação e inicia o atendimento no mesmo instante. Ao mesmo tempo, o médico regulador avalia o melhor procedimento a ser adotado: orienta a pessoa a procurar um posto de saúde ou hospital ou designa uma ambulância para o atendimento do paciente. Com poder de autoridade sanitária, o médico regulador comunica a urgência ou emergência aos hospitais públicos e reserva leitos para que o atendimento tenha continuidade. Fonte- MS

Distribuição das 650 novas ambulâncias

 

ESTADO
Nº de novas ambulâncias
Total de Ambulâncias
Acre
6
25
Alagoas
29
43
Amapá
12
19
Amazonas
6
29
Bahia
67
182
Ceará
7
44
Distrito Federal
3
40
Espírito Santo
4
24
Goiás
42
128
Maranhão
10
64
Mato Grosso
15
31
Mato Grosso do Sul
16
33
Minas Gerais
46
169
Pará
58
88
Paraíba
10
41
Paraná
48
106
Pernambuco
12
88
Piauí
8
34
Rio de Janeiro
18
160
Rio Grande do Norte
26
55
Rio Grande do Sul
39
123
Rondônia
3
8
Roraima
11
15
Santa Catarina
23
113
São Paulo
117
394
Sergipe
7
65
Tocantins
7
17
TOTAL
650
2.138
 
 

 

Recife
Redação do DIARIODEPERNAMBUCO.COM.BR
01/07/2011 | 11h46 | 887 vagas - Pernambuco.com

 

Até o final do ano, a Secretaria de Saúde de Pernambuco promete abrir 158 leitos de UTI, elevando de 729 para 887 a oferta de terapia intensiva para usuários do SUS em todo o estado. Com a medida, dez das 11 regionais de saúde de Pernambuco passarão a contar com esse suporte. Atualmente os leitos de UTI são oferecidos apenas na Região Metropolitana do Recife e nas cidades de Caruaru, Arcoverde, Garanhuns, Petrolina (hospitais próprios e privados conveniados ao SUS) e Serra Talhada (somente rede privada conveniada). O investimento será de R$ 12 milhões em obras, mais R$ 3,8 milhões de custeio a cada mês. De acordo com o secretário Antonio Carlos Figueira, a estimativa é, com as novas vagas, oferecer uma capacidade para assistir 711 pacientes por mês. Ainda de acordo com o secretário, as obras de construção das UPAs de Especialidades em Caruaru, Garanhuns e Petrolina serão iniciadas ainda este mês. Serão abertos leitos de UTI nos hospitais Pelópidas Silveira (28), Imip (20), Sílvio Magalhães - Regional de Palmares (20), Waldemiro Ferreira - Regional do Agreste (10), Dom Moura - Regional de Garanhuns (10), Inácio de Sá - Regional de Salgueiro (10), Fernando Bezerra - Regional de Ouricuri (10), João Murilo - Regional de Vitória (10) e Casa de Saúde e Maternidade de Limoeiro (10) - desses, apenas último não é da rede própria da SES. Limoeiro, hoje, não conta com UTI e passará a ter 10 para adultos devido a um contrato que está sendo firmado com a unidade, que receberá pacientes do SUS ainda este mês. Outros municípios, referências regionais de saúde, que passarão a ter esse suporte pela primeira vez são Palmares, Salgueiro, Ouricuri e Vitória. Na próxima sexta-feira, será lançado um edital para contratação de 30 leitos de UTI neonatal na Região Metropolitana do Recife. Hospitais privados que disponham de leitos e tenham o interesse de conveniá-los ao SUS, recebendo uma tabela diferenciada por cada diária de terapia intensiva, poderão se candidatar. Para a abertura de leitos, a SES convocará médicos intensivistas do banco de aprovados no último concurso, de 2009, e também realizará seleções simplificadas. A ampliação vai gerar a necessidade de mais de mil profissionais, entre médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem

 

 

Com novos médicos, Santa Casa de Campo Grande deve reativar UTIs

Direção do hispital espera colocar à disposição seis leitos ainda esta semana.
Novos profissionais já estão passando por treinamento. TV MORENA

Os novos médicos aprovados em concurso público na Santa Casa de Campo Grande participaram de uma reunião com a diretoria na noite dessa segunda-feira (27) para acertar a escala de trabalho. De acordo com a direção do hospital, a medida deve garantir a reativação de seis leitos de UTI ainda esta semana. Das 120 vagas previstas no concurso, 17 não foram preenchidas porque faltaram profissionais interessados. Segundo o diretor clínico Luiz Kanamura, os novos profissionais vão suprir necessidades imediatas. “Um exemplo é a terapia intensiva. Leitos devem ser abertos e precisam de novos profissionais”, afirma. Na tarde de segunda-feira (27), a equipe de reportagem da TV Morena percorreu a Santa Casa para conferir como está o atendimento. No corredor do pronto-socorro, nenhum paciente. Situação bem diferente de semanas atrás, quando muitas pessoas aguardavam o encaminhamento. A chefe de enfermagem da ortopedia, Mariana Nascimento, explica que o fluxo de pacientes diminuiu nos últimos dias. “Hoje está vazio, tem dois pacientes no corredor aguardando cirurgia e três internados, aguardando espaço físico na enfermaria para dar continuidade ao tratamento”, explica. Na sala do pronto-socorro havia seis pacientes, três deles com respiradores mecânicos. Os respiradores manuais não estavam sendo usados. Desde a última quinta-feira (23) até o meio-dia de segunda-feira (27) foram realizadas 99 cirurgias ortopédicas, quase 25 por dia. Em dias normais, são feitas de 35 a 40 operações. No corredor da enfermaria, poucos pacientes à espera de uma vaga de internação. Um deles é o funileiro José Aparecido Santos, que teve uma luxação no ombro. “Só me deixaram aqui e pronto”, diz. Do lado de fora da Santa Casa, familiares que esperam por notícias de pacientes internados. A esposa do aposentado Valdomiro Marcelino Siqueira é de Sidrolândia, cidade a 70 quilômetros de Campo Grande, e está no hospital há cerca de uma semana. Ele reclama por não conseguir informações. “Eles falam que só o médico pode dar informação. Não pude conversar com ele porque até agora não o vi”, assegurou. Uma das metas do plano de ação apresentado na semana passada é reimplantar a classificação de risco para avaliar as prioridades com mais rapidez. O funcionamento do novo sistema deve começar nos próximos dias. Também devem ocorrer mudanças em setores que atendem pacientes mais graves. A UTI 3, atualmente desativada, contará com seis novos leitos para adultos. Os equipamentos já foram instalados. De acordo com a direção da Santa Casa, o atendimento deve começar ainda nesta semana. Os profissionais que trabalharão aqui estão passando por treinamento. Os leitos de UTI pós-operatório de cirurgia cardíaca terão uma sala própria. Com a reforma, a capacidade vai subir de seis para dez pacientes. A previsão é que o local seja ativado em duas semanas.

 

Trabalho interdisciplinar e multiprofissional na Unidade de Terapia Intensiva DA REDAÇÃO - Editoria Saúde - 01/07/11 - 08h21

A internação de um paciente numa Unidade de Terapia Intensiva (UTI) traz como consequência o risco da imobilidade corporal total ou parcial. Ela pode ser prescrita pela condição global de saúde do paciente; pelo uso de equipamentos de monitorização que restringem alguns movimentos espontâneos ou ainda pela doença de base como acidentes vasculares encefálicos ou politraumatismos. Estas diversas causas de imobilidade corporal podem manter sequelas adquiridas pelo paciente por causa de sua doença de base ou por levá-lo a alguma sequela como estiramento muscular e perda de força muscular.  Para auxiliar os pacientes internados na UTI, a Santa Casa tem adotado alguns procedimentos conjuntos entre as equipes de enfermagem e fisioterapia, a fim de obterem um melhor posicionamento, retirada precoce do paciente no leito e execução de exercícios motores. A atividade que ora foi informal, tem tomado contornos formais e protocolares para garantir ao paciente a excelência do cuidado motor, engajando e responsabilizando as equipes de enfermagem e fisioterapia na execução diária destes cuidados. O elemento impulsionador deste cuidado multiprofissional formal foi introdução da preceptoria de fisioterapia na UTI, uma vez que, deste modo inseriu um profissional com atribuição de um coordenador setorial com possibilidades para articular-se com as coordenações médica e de enfermagem do setor e do plantão, com os fisioterapeutas residentes, moldando assim condições para um trabalho em equipe hierarquizado e estruturado. Através do projeto da residente de fisioterapia Elzira D’Santiago, junto com preceptores Luiz Cesar e Lorena Biazuti, foi inserido nas atividades de fisioterapia motora o exercício de fortalecimento com bola suíça. A bola suíça proporciona fortalecimento muscular com menor impacto, alongamento das musculaturas que se encontram tencionadas, relaxamento, coordenação e propiopercepção. Neste tipo de exercício são trabalhados diversos grupos musculares simultaneamente, fazendo com que o corpo fique mais preparado em realizar as atividades da vida diária e prevenindo futuras lesões.